Audrey Kathleen Hepburn-Ruston foi uma atriz e filantropa britânica. Audrey Hepburn marcou gerações e a história de Hollywood, como uma das maiores atrizes de sua época.

Conhecida como a Bonequinha de Luxo, ela também deixou sua marca em outros grandes sucessos como Cinderela em Paris, Charada e My Fair Lady.

A vida de muito glamour engana, já que as coisas nem sempre foram assim para Audrey. Filha de mãe holandesa e pai britânico, ela nasceu na Bélgica, mas morava na Holanda, e viveu de perto os horrores da Segunda Guerra.

Com os pais separados, ela a mãe tiveram que fugir para Londres, buscando evitar os horrores do Terceiro Reich. Em 1942, quando chegaram à cidade sem dinheiro nenhum, elas passaram fome. A desnutrição que Audrey viveu adolescência afetou seu corpo para sempre.

Seu nome tinha uma sonoridade inglesa demais, algo considerado perigoso durante a ocupação alemã. Assim, ela teve que viver em um personagem, adotando o codinome Edda van Heemstra, durante um tempo.

Após o fim da Segunda Guerra, Audrey começou a fazer algumas pontas como artista, ela iniciou no teatro em Londres, e depois apareceu no programa de televisão Sunday Night Theatre, da BBC.

“As oportunidades não costumam vir do nada. Então, quando o fazem, você tem que agarrá-las.” – Audrey Hepburn

Ela chegou ao estrelato depois de ter interpretado o papel principal em A Princesa e o Plebeu, em 1953, pelo qual ganhou o Oscar, BAFTA e Globo de Ouro de Melhor Atriz. Também tornou-se a primeira mulher a vencer todos esses prêmios por uma única performance, tudo isso aos 24 anos.

Seu trabalho nas telas foi inegavelmente formidável, rendendo a ela mais quatro indicações ao Oscar, inclusive por seu papel icônico em Bonequinha de Luxo.

Depois de alcançar o estopim em sua carreira, ela abdicou da sedutora vida em Hollywood para voltar à Europa, e viver de maneira modesta. Após se divorciar em 1968, ela se foi morar em Roma. Hepburn gostava de cuidar da casa, cozinhar e buscar seu filho Sean na escola.

Defensora de causas humanitárias

A maternidade foi outro ponto delicado em sua vida, ela sofreu alguns abortos, um em  1955 e outro em 1959, depois que ela caiu de um cavalo durante as filmagens do longa The Unforgiven. Quando engravidou pela terceira vez, ela tirou um ano de folga para evitar que isso acontecesse. O seu filho, Sean Hepburn Ferrer, nasceu em 1960.

“À medida que você envelhecer, você descobrirá que tem duas mãos – uma para ajudar a si mesmo, e outra pra ajudar aos outros.” – Audrey Hepburn

No período que passou reclusa na Itália, a bela acrescentou mais um idioma para a sua lista e tornou-se fluente em cinco línguas. Essa habilidade facilitou muito no trabalho humanitário que a atriz desempenhou ao lado da Unicef, entre os anos 1980 e 1990. Sem nunca ter se esquecido do tempo em que passou fome, ela se aliou às causas humanitárias, e viajou pelas regiões mais pobres do mundo até o fim de sua vida.

Audrey faleceu aos 63 anos, em 1993, diagnosticada com um tumor no apêndice. O câncer rapidamente se espalhou pelo cólon, sem chances de cura. Seu legado perdura até hoje, e sua trajetória não se resume somente a Bonequinha de Luxo. Audrey foi, e é muito mais do que isso.

Gostou da matéria?
Deixe aqui seu comentário sobre Audrey Hepburn

 

 

Para saber mais sobre a vida dela acesse Aventuras na História
Mais detalhes sobre Audrey Hepburn acesse Haper’s Bazaar
Conheça os melhores filmes de Audrey em Rolling Stones