Barbara Penna é sobrevivente de espancamento, teve 40% do corpo queimado e dois filhos assassinados pelo ex-marido. Criou o Instituto Bárbara Penna o objetivo de combater a violência doméstica por meio do apoio à mulheres que vivem situações como as que ela viveu.

Em novembro de 2013, ela foi agredida, queimada e jogada da janela do apartamento pelo ex-namorado. No incêndio, morreram os dois filhos dela, Isadora, de 2 anos, e João Henrique, de apenas 3 meses. Um vizinho que tentou socorrê-la também não resistiu após ser asfixiado com a fumaça.

Mais de três anos depois, o sofrimento pelo que passou a motivou a idealizar o Instituto Barbara Penna, que tem como foco a luta contra a violência doméstica. Após conhecer o atual companheiro – um “homem bom”, como faz questão de ressaltar –, deu à luz a terceira filha, Luisa, hoje com um ano e sete meses.

“Ela me trouxe uma vida nova, e muitos desafios junto, mas não tem como não olhar para aquele rostinho e não ter forças. Ela me passa uma força sem limites.”

Na tarde desta quarta-feira (26), Luisa corria e brincava pelo pavilhão do Centro de Eventos da Fiergs, na Zona Norte de Porto Alegre, enquanto a mãe palestrava em um seminário da Patrulha Maria da Penha, iniciativa da Brigada Militar para combater a violência doméstica. O depoimento de Barbara emocionou policiais.

“Muitas pessoas lutam pela causa. O grande diferencial é quando você vê que uma pessoa não está lendo uma ficção ou vendo um índice, mas falando sobre o que passou. É muito importante existir relatos para conscientizar e chocar”, destacou, após a participação no seminário.

Instituto Barbara Penna

Olhar para o passado é difícil e Barbara costuma dizer que vive um dia de cada vez. “Fui dormir e tinha tudo, tinha meus filhos, e acordei sem nada”, lembra.

Hoje ela recebe apoio, mesmo de quem não a conhece, mas se comoveu com a história de luto e superação, e está prestes a realizar um sonho: abrir o Instituto Barbara Penna. O local vai acolher mulheres vítimas de violência doméstica, e a sede será em Porto Alegre, cidade em que mora e onde o crime aconteceu.

“Quero reunir em um único lugar todos os atendimentos que uma mulher nessa situação necessita. Atendimento jurídico, psicológico e encaminhamentos em casos de agressões. E o principal, dar todo o suporte que eu, vítima de violência doméstica, não tive”, afirma.

Em busca de parceiros, entes públicos e privados, ela espera abrir ainda este ano a sede da entidade. Voluntários já surgem nas redes sociais, dispostos a ajudar.

“Decidi assim que acordei do coma que ia lutar por justiça por mim, pelos meus filhos e pelo senhor Ênio. Pelas redes sociais tive muito apoio, contei meus relatos e recebi outros, como uma troca de experiências e troca de forças”, observa ela.

Exemplo

Mesmo sem querer, Barbara se transformou em um exemplo. É verdade que seu passado a envergonhava, mas ela descobriu que, como ativista, pode tentar mudar a realidade de outras vítimas.

“É impossível não se sentir culpada. Minha maior culpa é por não ter escolhido um pai e homem de verdade. Fui enganada por um covarde”, desabafa.

Barbara decidiu dedicar a vida à luta contra a violência doméstica — Foto: Guacira Merlin/RBS TV

Barbara decidiu dedicar a vida à luta contra a violência doméstica — Foto: Guacira Merlin/RBS TV

“Hoje eu luto para que outras Barbaras não surjam. Acredito que toda vítima real acaba servindo como alerta. Não queremos que surjam mais vítimas, mas desejamos que as que infelizmente já viveram essa realidade, tenham coragem de contar seus relatos, para motivar a população a saber identificar relacionamentos doentes”, explica.

O agressor de Barbara é João Guatimozin Moojen Neto, de 27 anos, que hoje está preso. Ele foi denunciado pelo Ministério Público por três homicídios dolosos (quando se assume o risco de matar) triplamente qualificados, uma tentativa de homicídio e pelo fato de ter provocado o fogo no apartamento.

Em maio do ano passado, o juiz da 2ª Vara do Júri do Foro Central da capital, Felipe Keunecke de Oliveira, decidiu que o réu irá a júri. No entanto, ainda não há data para o julgamento.

Barbara teme que ele obtenha a liberdade. “Se ele matou os filhos, não tem nada a perder, então pode vir atrás de mim”, cogita.

“A violência se manifesta de forma cíclica. Se apresenta como explosão, depois a demonstração de arrependimento e, em seguida, a lua de mel. O final deste ciclo sempre é a tragédia, a morte”, disse Bárbara Penna. Segundo ela, família, amigos e vizinhos não podem ficar em silêncio, devem interferir, denunciar e tomar atitudes para preservar a vida da vítima.

O trabalho que vem sendo realizado pelo Instituto Bárbara Penna é de conscientização, coragem para enfrentar a situação de violência e atitude para denunciar podem salvar vidas. Para ela, a Lei Maria da Penha é importante para barrar o ciclo de violência doméstica e que é preciso fortalecer a rede de proteção à mulher, com a criação de casas de abrigo, treinamento para que policiais militares e civis, defensores públicos e demais órgãos que tratam do tema possam realizar o atendimento de forma adequada.

“São atendimentos primordiais para a mulher vítima de violência, o acolhimento e direcionamento pelos órgãos especializados, para que ela possa ter condições de sair de um relacionamento abusivo. As medidas protetivas precisam ser concedidas com maior rapidez e, principalmente, é necessário o despertar da sociedade para a gravidade da situação que a mulher está vivendo dentro de um relacionamento abusivo”, finalizou.

Gostou da matéria?
Lembre de deixar seu comentário aqui

 

 

Siga ela no Instagram @pennabarbara
Saiba mais sobre o caso em G1
Saiba mais sobre a luta dela em Barbara Penna