Marisa Chave é a fundadora da ONG Movimento de Mulheres, que dedica especial ao atendimento de jovens meninas que sofrem ou sofreram algum tipo de violência.

Marisa tem como principal objetivo proteger mulheres expostas a abusos, desde ameaças até estupros. A assistente social Marisa Chaves desenvolve um trabalho voltado para o atendimento de mulheres vítimas de violência.

Ela é a fundadora do Movimento de Mulheres de São Gonçalo. Grupo criado em 1989 que realiza atendimentos não só no município que dá nome à organização, mas também nas cidades vizinhas de Niterói, Maricá e até Araruama, na Região dos Lagos.

A ideia de fundar o movimento surgiu depois de Marisa se deparar com casos brutais quando trabalhava numa delegacia da região. Essa experiência foi a principal razão para que ela se envolvesse na criação do 1º Núcleo de Atendimento à Mulher da região, em 1988.

Nesta jornada de acolher e orientar mulheres vítimas de seus companheiros, Marisa tornou-se referência. A sede da ONG recebe, diariamente, vítimas em busca de amparo.

“Um dos episódios que mais me marcou ao longo destes anos foi o de uma mulher que teve 70% do corpo queimado, depois que seu companheiro de dois anos despejou gasolina e ateou fogo em seu corpo. As cicatrizes ficaram horríveis e durante muito tempo ela não podia mexer o pescoço por conta das queimaduras” relembra Marisa.

“Conseguimos, ao menos, que o agressor cumpra 26 anos de prisão”.

Nesse e em outros casos, as mulheres que procuram ajuda no Movimento são orientadas a prestar queixa na delegacia mais próxima. Em casos mais graves, são encaminhadas para uma casa abrigo na Baixada Fluminense. O endereço do abrigo é desconhecido pelo agressor.

As vítimas também contam com atendimento psicológico. Só nos últimos oito anos, a ONG realizou 45 mil atendimentos.

Ameaças

“Nosso trabalho só existe, porque há uma lacuna muito grande deixada pelo poder público” destaca Marisa.

Em 1997 e 2011, Marisa criou os dois centros de atendimento à mulher que existem em São Gonçalo. O trabalho dela acabou não agradando a todos.

“O pior caso de ameaça que sofri foi o de um marido que não agredia sua esposa e também violentava sexualmente a filha de 6 anos. Quando a mulher me pediu ajuda e foi para a casa abrigo, ele começou a me perseguir e me ameaçou de morte. Tudo porque eu não contava onde as vítimas estavam. A perseguição durou quatro anos” revela.

Apesar dos obstáculos, a principal missão do grupo, para Marisa, vem sendo alcançada com sucesso:

“De todas as mulheres que nos procuraram nestes mais de 20 anos de projeto, nenhuma foi assassinada. Salvamos vidas de muita gente”.

O Movimento de Mulheres

O Movimento de Mulheres em São Gonçalo é uma entidade da sociedade civil, sem fins lucrativos, de utilidade publica municipal e estadual, fundada a 29 anos (1989).

A missão da ONG é enfrentar todas as formas de preconceitos e discriminações de gênero, raça/etnia, orientação sexual, credo, classe social e aspectos geracionais.

Os trabalho do grupo são voltados para a defesa dos direitos de crianças, adolescentes, jovens, mulheres e idosas, especialmente àquelas que são vítimas de violência ou que estejam vivendo com HIV/AIDS.

A ONG possui diversos projetos, mas dedica atenção especial para projetos voltados ao atendimento de crianças, adolescentes e jovens que sofreram algum tipo de violência doméstica ou exploração sexual.

Além da prevenção às violências a entidade oferece apoio psicossocial e jurídico às mulheres, crianças, adolescentes e jovens.

A ONG possui uma equipe de psicólogos, assistentes sociais, pedagogos, educadores e advogados. O atendimento é gratuito e atende as diversas demandas apresentadas.

Gostou da matéria?
Lembre de deixar seu comentário aqui

 

 

Siga ela no Instagram @chaves_marisa
Saiba mais sobre o assunto em O Globo
Saiba mais sobre o trabalho dela em Movimento de Mulheres